Quem nunca disse esta frase que atire a primeira pedra.

Segunda-feira eu começo:

O regime, a academia, a procurar um novo emprego, a organizar os arquivos, a limpar o guarda-roupa, a economizar um dinheiro…

A atitude, tão comum, de deixar para amanhã o que se pode fazer hoje tem um nome Procrastinação. E o significado é bem simples, a palavra vem do latim procrastinare, que significa “encaminhar para amanhã”.

Para a pessoa que está procrastinando, isso resulta em stress, sensação de culpa, perda de produtividade e vergonha em relação aos outros, por não cumprir com suas responsabilidades e compromissos. Embora a procrastinação seja considerada normal, ela se torna um problema quando impede o funcionamento normal das ações. A procrastinação crônica pode ser um sinal de alguma desordem psicológica ou fisiológica.

Em uma pesquisa realizada em 2011 pelo gestor do tempo Christian Barbosa, autor do livro Equilíbrio e resultado – Por que as pessoas não fazem o que deveriam fazer? , 97,4% dos brasileiros admitem deixar atividades importantes para a última hora. “A procrastinação é o ato de adiar tarefas e acontece na vida de todo mundo. Nós procrastinamos ao acordar, quando apertamos o modo soneca do despertador, quando ficamos com preguiça de lavar a louça do jantar ou quando deixamos de responder àqueles e-mails chatos. Somos propensos a deixar quase tudo para depois, mas eu diria que os assuntos pessoais são os que acabam sendo os aspectos que mais adiamos em nossas vidas” afirma o especialista Barbosa.

Segundo o estudo os principais fatores que levam à procrastinação são: falta de tempo, impulsividade (deixamos algo de lado para fazer outra atividade mais prazerosa), falta de energia, medos, autossabotagem e preguiça. Além disso, as pessoas perfeccionistas tendem a adiar tarefas por preferir desafios a tarefas mais simples.

Para André Gellis, diretor do Centro de Psicologia Aplicada da Universidade Estadual Paulista (Unesp), há um forte medo do fracasso e de errar por trás da procrastinação. “Os procrastinadores sentem prazer em deixar tudo para o último momento. Apesar da ansiedade, do mal-estar e da culpa associada, obtém-se um ganho sinistro, uma satisfação inexplicável por essa atitude”, finaliza Gellis.

E então, quer saber se você é um procrastinador? Não perca o próximo post .

Boa Reflexão e Excelente Semana!

 

Quer enviar um pergunta ou saber mais sobre o assunto , acompanhe a psicóloga e Coach Angelis Bogdanovicz pelas redes sociais Instagram @angelisbogdan e Facebook : https://www.facebook.com/angelisbogdan/